06 setembro 2006

Roteiro#5 - Amor Bandido

AMOR BANDIDO

PERSONAGENS
Vera – 38 anos. Esposa de Jorge. Executiva de uma empresa do segmento de construção civil. Trai o marido ao envolver-se com um colega de trabalho.
Jorge – 45 anos. Cientista. Marido de Vera. Sente-se intensamente decepcionado ao constatar que fora traído após vários anos de casamento.
Carlos – 40 anos. Amante de Vera. Engenheiro civil.


CENÁRIO
Apartamento de classe média. Deve conter porta de entrada, e janela ampla para a rua.

Objetos cênicos:
Uma camionete cinza;
Um sofá;
Um bar (deve estar equipado com garrafas, copos, etc..)
Uma mesa de centro (deve conter porta-retratos com fotografias de Jorge e Vera, e também do filho de ambos, menino entre 7 a 8 anos).

CENA 1. FRENTE DO PRÉDIO, ONDE MORAM JORGE E VERA. INT/MADRUGADA
RUA DESERTA. UMA CAMIONETE ESTACIONA, E JORGE, ATRAVÉS DA JANELA DE SEU APARTAMENTO, OBSERVA O MOVIMENTO. JORGE, TENSO, BEBE. VERA SAI DA CAMIONETE E DESLOCA-SE ATÉ A FACHADA DO PRÉDIO. REPENTINAMENTE, CARLOS SAI DE DENTRO DO CARRO COM A BOLSA DE VERA NAS MÃOS.

CARLOS
(GRITA)
Vera, Vera.

VERA, QUE ESTÁ DE COSTAS PARA CARLOS, VIRA-SE.

VERA
Você enlouqueceu?

CARLOS
A sua bolsa.

VERA
Quanta distração!

VERA PEGA A BOLSA E CARLOS, IMPULSIVAMENTE, DÁ UM DEMORADO BEIJO NA BOCA DA AMANTE. JORGE, QUE PERMANECE EM FRENTE À JANELA, LEVA UM CHOQUE, TRAGANDO TODO O UÍSQUE EM UM SÓ GOLE. APREENSIVA, VERA CESSA o BEIJO.

VERA
Acho que perdi a cabeça.

CARLOS
Eu não resisti ao seu charme.

VERA
Nunca mais faça isso.

CORTA PARA:

CENA 2. SALA DO APARTAMENTO DE VERA E JORGE. INT/MADRUGADA
NERVOSO, JORGE DIRIGE-SE ATÉ O BAR, ONDE SERVE-SE DE UÍSQUE. VERA CHEGA CANTANDO TRANSAS (MÚSICA INTERPRETADA POR RITCHIE). ELA FICA SURPRESA.

VERA
Ainda acordado, meu amor?

JORGE
Você sabe que horas são?

VERA
(COMPORTA-SE NATURALMENTE)
Trabalho, querido. A empresa tá fechando um novo contrato.

JORGE
Mais uma reunião noturna?

VERA
Foi. Que mal há nisso?

JORGE
O Carlos participou dessa reunião?

VERA
Você tá sendo infantil. O meu relacionamento com o Carlos é estritamente profissional.

JORGE
(IRÔNICO)
O beijo que o Carlos te deu há poucos minutos atrás, aqui na frente do prédio, também foi profissional?

VERA FICA SEM PALAVRAS. SENTA-SE NO SOFÁ.

VERA
Você tá brincando comigo.

JORGE
Mas você é muito cínica mesmo. Nem nosso filho, que dorme como um anjo inocente, você respeita.

VERA
Beijei sim, não nego, mas foi um beijo de amizade, de coleguismo, nada mais.

JORGE
(EXTREMAMENTE IRRITADO)
Cala essa boca. Chega da tanta mentira. Eu tô com muito nojo de você, Vera.

VERA LEVANTA-SE DO SOFÁ E BAIXA A CABEÇA.

VERA
Eu não tenho culpa se me apaixonei por um outro homem.

JORGE
(MAIS CALMO)
Como fui um idiota. Desconfiei, mas nunca imaginei.

VERA
Não sei como é que aconteceu. Acho que convivi muito com o Carlos nesse último ano.

JORGE
Não te dei amor suficiente? Foi falta de sexo?

VERA
(INTROSPECTIVA, ENCARA O MARIDO)
Eu nunca deixei de te amar, mas os meus sentimentos em relação a você foram se transformando com o passar dos anos: eu comecei a te enxergar mais como um pai, um irmão mais velho. Aquele tesão que eu tinha por você foi dando lugar a amizade, a cumplicidade, e o Carlos, ah, deixa pra lá.

JORGE
Seja sincera comigo, pelo menos uma vez na vida.

VERA
O Carlos me despertou desejo, me reacendeu. Eu me sento amada.

JORGE
Você quer dizer que renasceu nos braços de um estranho?

VERA
É duro dizer, mas a gente se dá bem em todos os sentidos, principalmente na cama.

JORGE
Ele só objetiva sexo com você. Conheço muito bem aquele tipo.

VERA
Tem também muita paixão.

JORGE
Te amar como eu te amei, ninguém mais vai te amar.

VERA
O que você propõe?

JORGE
Eu não quero mais viver com você.

VERA
Talvez seja melhor assim, mas é cedo para tomarmos atitudes precipitadas. Precisamos rever nossas vidas, onde falhamos.

JORGE
Eu vou arrumar as minhas malas.

JORGE RETIRA-SE. VERA APROXIMA-SE DA JANELA E OBSERVA A RUA ESCURA E VAZIA. DESSA MANEIRA COMEÇA A CHORAR.

*** FIM ***

Um comentário:

FRANCISCO MALTA disse...

Boa narrativa,a cena possui um desenho dramaturgico crescente.
BOA SORTE!!!
FMALTA