06 setembro 2006

Roteiro#13 - Alívio Imediato

ALÍVIO IMEDIATO

PERSONAGENS
ALEX – marido, analista de sistemas, folgado
SUELI – mulher, enfermeira, vingativa

CENÁRIO
Uma sala de estar/jantar e cozinha de um apartamento de um casal de classe média. A cozinha é estilo americano, com uma “janela” para a sala de estar/jantar.

Objetos cênicos:
Na estante, livros de computação e de medicina, salpicados de literatura policial e de livros de Paulo Coelho. Na parede, reproduções de quadros famosos – principalmente Van Gogh. A mesa está posta para um jantar à luz de velas.


CENA 1. APARTAMENTO SUELI E ALEX /INT. NOITE
SUELI está fazendo o jantar na cozinha. ALEX chega da rua, olha para a mesa posta com as velas. SUELI fala tudo com muita calma, enquanto cozinha e arruma a mesa.

ALEX
(EM TOM CASUAL “FORÇADO”)
Oi, amor… Ô dia de cão! Imagina que até agora fiquei tirando vírus de computador? O povo da empresa abre qualquer e-mail, depois eu que me vire! Tudo bem no hospital?
(SUELI FAZ “HUM-HUM” E ALEX A BEIJA)
Hum… bobó de camarão… mesa posta pra jantar à luz de velas… Caipirinha de aperitivo…
(BEBE A CAIPIRINHA)
Aposto que você colocou mel de laranjeira na caipirinha! O que é que a gente tá comemorando?

SUELI
Não dá pra imaginar?

ALEX
Hum… Aniversário de noivado não é… Primeiro beijo também não … Primeira vez que a gente tomou banho junto?

SUELI
Num dia comum eu ficaria com muita raiva das suas brincadeirinhas.

ALEX
E hoje… não vai ficar?

SUELI
Não. Sabe por quê? Porque hoje o nosso casamento vai acabar.

ALEX
Ra, rá, rá… Você me mata de rir.

SUELI
É, eu sou uma palhaça, mesmo. Há 7 anos que eu sou uma palhaça. Mas hoje o circo vai pegar fogo.
ALEX
Só porque eu demorei no trabalho, Sueli? Faça-me o favor...

SUELI
Você não demorou no trabalho. Há 3 horas atrás você entrou no Motel Cê Ki Sabe com a Keila. Vocês consumiram duas garrafinhas de uísque, quatro energéticos, duas pomadas aromatizadas sabor canela, e cinco pacotes de castanha de caju. É uma pena que você não está com fome pra comer o bobó. Tá uma delícia.

ALEX
Pois se enganou. Eu estou morto de fome, e vou comer o bobó sim.
(SENTA NA MESA E TOMA UM GOLE DA CAIPIRINHA)
De onde você tirou isso tudo?

SUELI
O funcionário do motel me disse.

ALEX
Inventa outra! Funcionário de motel vende a mãe mas não abre o bico.

SUELI
Pagando bem, qualquer um abre o bico.

ALEX
E você usou que dinheiro? O do apartamento?

SUELI
Não, paguei com o corpo mesmo. Funcionário de motel é igual cachorro de açougue. Vigia sem comer. Quando vê filé, faz a festa.

ALEX
(SERVE O BOBÓ NO PRATO, MEXE COM A COLHER)
VOCÊ FICOU LOUCA, SUELI?! Pois quer saber de uma coisa? Agora quem quer o divórcio sou eu!

SUELI
Eu não falei em divórcio. Eu disse que o nosso casamento ia acabar. Pra ele acabar, basta que um de nós não esteja mais vivo.

ALEX
(PÁRA O GARFO NO AR)
E assim você levava o dinheiro todo do apartamento… Muito esperta.

SUELI
Eu ralei muito pra conseguir esse dinheiro, Alex. E faria qualquer coisa pra ficar com tudo.
(SERVE O BOBÓ E COME UMA GARFADA)

ALEX
(AO VER QUE ELA COMEU, COME TAMBÉM E TOMA UM GOLE DA CAIPIRINHA. COMEÇA A TOSSIR)
Sei. Mas antes ficar com metade que ficar com nada. Vou sentir falta do seu bobó. E da caipirinha também.

SUELI
Não foi mel de laranjeira que eu coloquei na caipirinha.

ALEX
Foi o quê, então?

SUELI
Arsênico.

ALEX começa a estrebuchar, cai no chão e morre.

SUELI
Alívio imediato. Sem vestígios… e sem contra-indicações.

SUELI continua comendo o bobó, tranquilamente.

*** FIM ***

Um comentário:

Filipe Figueiredo disse...

Hilário! Ótima cena! Pareceu-me algo que assistiria em "Desperate Housewives". Texto excelente, personagens bem desenvolvidos, os diálogos ficaram de bom tom... Adorei!